quarta-feira, 7 de outubro de 2009

Auto - retrato


Nascida em São Paulo,cercada de bonecas e olhares afagantes,tive mais sorte que meu irmão,
Designaram-me meiga,amorosa e egoísta,
Este último anula os dois primeiros ou ao menos os fazem apodrecer.
Ao meu ver,uma pessoa iludida a seu próprio respeito,
Perdendo-se em lamentações estéreis
Por achar que poderia ou deveria ser diferente.
Talvez,uma menina mimada aprendendo que o mundo não gira ao seu redor,
Defendendo-se de algo inexistente,
Precisando colocar os pés no chão.
Não sou mártir,nem possuo a tal autopiedade.
Reconheço minha cegueira temporária e minhas falhas de caráter.
Sempre com lições baseadas em minha vaidade,que por tentar esconder,ficam evidentes.
Perdida em quem sou e no que poderia ser,
Agindo primeiro,pensando depois;
Agindo primeiro,chorando depois;
Agindo primeiro,tentando consertar depois;
Agindo primeiro;perdendo depois.
Disseram muito sobre o tipo de pessoa que sou,descobri muito sobre mim mesma,
E ainda não sei,nem entendo.
Perdida em palavras que talvez não façam sentido,
Não me permito ser mais uma entre tantos,
No entanto,isso que deveria ser
Afinal todos o são.
Mas algo ainda não me permite,
Mesmo com todos os meu defeitos latentes,que ajudam a me definir.
Agora,
sou...
Parte de mim que dramatiza meu ser,rimando,
No drama da vida que procuro entender.
Aliás,dramática desde criança,dramática e ciumenta,
Talvez por isso me apoiaram em minha profissão.
Não,não quero futilidade,nem ambiguidade se é que me entendem...
Escrevo para colocar para fora o que sinto...
Quanto a ironia...me perdoem,mas ninguém vive sem uma pitada de sarcasmo.
Procuro cada pedaço meu entender.
Disseram- me certa vez ,que eu tinha humor negro
Ahh...que humor negro o quê!!!só estou brincando com o nosso viver!!!
Quanto a família?vai bem obrigada e benza Deus.
Mas a dança...essa sim é minha paixão,a dança e o teatro,que me fazem sonhar acordada,só para não fugir da realidade,
Apesar de minha avó dizer que isso não dá futuro''ah menina teatro é profissão de vagabundo''.
Besteiras,bobagens,porcarias,talvez todas essas frases sejam.
Mas não enganei ninguém,afinal já tinha dito que sou um tanto quanto confusa e bagunceira
Até mesmo com as palavras,
Quanto as acusações de persuasão,garanto que são todas falsas(se alguém souber como persuadir me ensine por favor).
E sim eu choro,mas sou feliz.
Sobre o final,não sei o que dizer,só digo que pensar demais dá uma imensa dor de cabeça.

2 comentários:

  1. Pensar demais realmente dá dor de cabeça... porém pensar pouco torna a mente vazia. Nunca estaremos livres e em paz em um dos extremos. Sempre estaremos em cima do muro, concordando e discordando... e essa é a real essência de ser racional.

    ResponderExcluir
  2. Nossa Thaís...
    Que texto!!!
    Adoro0...
    Muito profundo mesmo!
    Bjos

    ResponderExcluir